Notícia

O que é ESG e como se aplica em oficinas e lojas de autopeças?

A especialista Bárbara Nogueira explica em entrevista exclusiva à Rede PitStop

Rede PitStop

Você já ouviu falar sobre ESG? As três letras que formam a sigla para Environmental, Social and Governance (em tradução livre, Ambiental, Social e Governança) têm despertado a atenção de empresários de diversos segmentos. 

Para entender melhor o tema e descobrir como levá-lo às lojas de autopeças e oficinas mecânicas, conversamos com Bárbara Nogueira, diretora da Prime Talent, conselheira de administração na Fundação Dom Cabral (FDC) e embaixadora da ONG ChildFund Brasil. 

Leia a seguir!

Faz sentido pensar em ESG no segmento automotivo? 
Quando uma empresa trabalha a adoção de práticas ESG está criando as condições para se manter viável e sustentável a longo prazo, respeitando a natureza, o bem-estar da comunidade e a saúde financeira da operação. É a integração de todos esses conceitos sociais, ambientais e de governança debaixo de um mesmo propósito. No segmento automotivo, torna-se primordial falar a respeito do conceito, considerando a relevância do setor na economia do Brasil, que representa cerca de 4% do PIB.

Mesmo quando se trata de empresas menores?
Ter um programa ESG tornou-se uma necessidade para empresas de qualquer tamanho. Um bom começo é procurar solidificar o conceito de ESG como propósito da companhia, buscando ações integradas e não isoladas. Não adianta o investimento em ações relacionadas à contribuição social. As empresas devem investir em todas as práticas que garantam a transparência, a ética, o controle, a prestação de contas e, por fim, proteção empresarial contra a corrupção e as práticas ilícitas.
 
Em quais frentes o ESG pode ser aplicado em oficinas mecânicas?
O primeiro passo para o ESG ser aplicado em oficinas mecânicas e empresas do setor automotivo é o investimento inicial e fundamental na divulgação e no bom entendimento de todos sobre o conceito. Depois que os colaboradores compreenderem do que se trata, o ESG passa a fazer parte da cultura da empresa, em um processo natural e uma jornada incentivada por pessoas-chave. Além disso, iniciativas como reciclagem de máquinas e equipamentos, otimização de processos e apoio a novas ideias e projetos podem ser um bom início para realmente agir em prol da aplicação do ESG na realidade.  

E em lojas de autopeças? 
A jornada rumo às práticas ESG vai além do óbvio, podendo começar a partir de iniciativas de compartilhamento ou criação de felicidade para todos, sejam estes clientes ou não. Importante atuar como um bom exemplo de governança, criar empregos, pagar impostos, crescer, criar competitividade e pensar em iniciativas que melhorem a atividade, reduzam o consumo de água e luz e valorizem os profissionais. 

Dessa forma, seja na loja de autopeças ou em qualquer outro mercado, o negócio começa a se conectar com a agenda ESG, rumo a uma jornada de construção de um novo DNA. Assim, aos poucos, é estabelecida uma nova realidade que atua como força motriz do crescimento sustentável do negócio, pensando em todos os pilares, ambientais, sociais e de governança. 

Fonte: Rede PitStop

22/06/2022

Avalie:

Comentários (0)

Enviar seu comentário