Notícia

Mitos e verdades sobre lubrificantes

Veja alguns pontos importantes que a Shell, parceira da Rede PitStop, esclarece para evitar dúvidas sobre lubrificantes

Rede PitStop

A Shell, parceira da Rede PitStop, preocupada em levar mais informações aos profissionais do mercado de reposição elencou alguns pontos importantes para esclarecer o que é mito e o que é verdade sobre lubrificantes. Veja abaixo as explicações e esclareça suas dúvidas.

O MITO: Já que terei de trocar o lubrificante com o mesmo intervalo, não preciso usar um sintético mais caro.
A VERDADE: Usar um lubrificante sintético não depende do intervalo de troca, mas sim do que o fabricante do carro recomenda. A maioria dos motores atuais pede um sintético porque as novas tecnologias exigem. Usar um mineral pode aumentar o consumo e o desgaste das peças.

O MITO: Lubrificantes são todos iguais. 
A VERDADE: Eles são bem diferentes. Mesmo os de base de óleo e de viscosidade similar possuem muitas diferenças devido aos aditivos utilizados. O uso de produtos fora da especificação pedida pelo fabricante contribui para o desgaste precoce de peças, a perda de desempenho e o aumento de consumo.

O MITO: Lubrificante sintético é só para carro importado ou esportivo.
A VERDADE: Hoje, a maioria das montadoras recomenda um sintético por conta das tecnologias mais exigentes dos motores, mesmo para carros 1.0.

O MITO: É possível comprar lubrificante mais barato e colocar aditivo à parte.
A VERDADE: O mais difícil na formulação dos lubrificantes é justamente balancear óleos básicos e aditivos. Eles já estão preparados para atender às exigências do veículo. Aditivá-los por conta própria é desnecessário e muito arriscado, podendo inclusive causar danos ao motor.

Fonte: Rede PitStop

04/06/2018

Avalie:

Comentários (0)

Enviar seu comentário